A CIDADE ANTIGA.


“O passado nunca morre completamente para o homem.
O homem pode  esquecê-lo totalmente, mas esse passado
ficará sempre registrado no seu intimo. Porque assim como
ele é, ele próprio, em cada época, ele é simultaneamente
o produto e o resumo de todas as épocas anteriores.”

(Fustel de Coulanges – A Cidade antiga)