A perfeição é mesmo um delírio mórbido.


O elo da inexistência é o vínculo servil com o agora.