"Eu nasço e morro todos os dias."


Todos os seres estão interligados por uma mesma consciência que subdivide o seu processamento em cada um de nós através de nossos quasares, princípios divinos. Cada um de nós se relaciona com várias pessoas, seja com amizade, criando inimizades, amando, odiando e dentre outras várias atuações, sempre interagindo com alguém ou algo.

Na magia, há uma prática que consiste em tocar um objeto e sentir as ultimas emoções ou acontecimentos (como por exemplo: ideias e fotografias mentais) das ultimas pessoas ou coisas que tocaram no mesmo. Esta atividade é denominada Psicometria e só é possível porque tudo que temos contato, seja físico, mental ou espiritual, absorve um pouco de nossa energia, deixando um "rastro" que nos leva a nós. Considerando que estamos constantemente tocando e sendo tocados por várias pessoas e objetos, isso significa que temos absorvemos vários rastros e deixamos outros tantos.

Visualmente falando, é como se cada contato que fazemos com algo deixasse um fio que nos liga a nós, de comprimento infinito, que não importa o quanto nos afastemos ainda estará nos conectando ao objeto. Todos formamos assim então uma cadeia que nos liga a infinitas coisas e outras tantas que se ligam a nós.O conjunto desses fios é muitas vezes comparado a tecelagem das Parcas (deusas gregas do destino) e chamado por isto de trama ou teia. Estes fios são referenciados por alguns contextos:

CRIAÇÃO: Toda vez que transferimos nossa consciência ou energia (voltamos a nossa atenção ou temos contato físico) estamos criando ligações que partem do nosso corpo espiritual e se agregam ao objeto.

DESTRUIÇÃO: É natural que a medida que a transferência de energia acabe (paremos de pensar ou nos afastemos do contato), a energia que alimenta os fios acabe e portanto a ligação se desfaça por completo. Isto também ocorre quando a ligação é recusada, como por exemplo quando a ligação não é aceita entre os dois corpos (para que a ligação seja sustentada, a aura do indivíduos devem se misturar e compartilhar energia).

MANUTENÇÃO: Toda vez que a ligação é refeita, ou seja, os dois objetos entram novamente em contato ou um volta a sua atenção para o outro, a ligação é realimentada, de forma que quanto maior a energia alimentada maior o tempo que se leva para a destruição do segmento. Além disso, a rede também possui "acidentes", denominados "fenômenos", os quais descrevem comportamentos de conjuntos de segmentos em relação a dimensão:

 - Zonas mortas (zonas de silêncio): Existem regiões onde a influência da energia dirigida pela consciência dos seres ainda não permeou o espaço. Nelas existe a carência e até mesmo a ausência de toda de rede; o que significa que para realizar a operação mística é necessário utilizar a própria energia para recriar a rede de trama do ambiente. Nesses locais, os efeitos místicos são extremamente limitados em comparação com os que possuem a rede já construída. Em termos práticos, locais de zona morta são reconhecidos quando sentimos um grande esforço em desenvolver energia no ambiente e toda atividade exaure mais do que o costumeiro. Este tipo de fenômeno ocorre em locais onde ouve o encontro de grandes duelos de energia ou efeitos abruptos provocados por radiação (ataque de bombas atômicas ou vazamentos de radiação);
- Zonas de perturbação (zonas distorcidas): Quando a influência humana esta carregada de sentimentos perniciosos (dor, ódio, inveja, luxuria, mágoa, etc.) durante um certo período (o que varia de acordo com uma equação em que adentram variáveis como: número de pessoas, intensidade do sentimento e tempo de exposição a esse conjunto de energias). Os fios adquirem comportamento distorcido e vertem a energia de maneira incorreta. De maneira prática, esse ambiente distorce a energia que é gerada no meio dele, magias conjuradas nessas zonas quase sempre tomam um funcionamento diferente do que foi idealizado. Procedimentos de cura podem disparar efeitos colaterais, explosões de energia podem tomar comportamento análogo e prejudicar o próprio ocultista, dentre outros efeitos semelhantes;
- Zonas de vergência (nós): Quando grandes consciência se unem em um mesmo ponto por um determinado número de tempo, trabalhando em conjunto. A rede, aos poucos, se deforma de maneira a convergir para o ponto de mais alta concentração da energia desprendida por essas consciências. Isso significa que distorcer as relações energéticas e moldar a realidade torna-se mais simples. É fato conhecido que certas operações místicas só são possíveis para neófitos em determinado ambiente devido ao que é chamado de "kiva" (espaço entre fluxos de energia) imposto pelo local.