Magia Conclusiva (ou Etéreo para Principiantes).


Porque somos todos tão intensos e sublimes, cardinais e divinos, extrapolados em nossa criativa reinvenção dos dias, que já não bastariam algumas noites de descanso, quiçá o tempo dos intervalos do pensar. Seriam urgentes a respiração ativa e o olhar tênue de quem sabe deliciar-se com os próprios segredos e não aguarda no divã do pensar o que está à frente de seu tempo.

De certo é o sufoco do óbvio que tira as pessoas de cena.