O Tudo e o Nada - O Universo Mágico.


Nenhuma energia, por mais particular que seja, foge às regras do “Universo Mágico”. Sua condição única é constituinte de conceitos próprios, mas que interagem diretamente como o constante jogo de equilíbrio entre o Tudo e do Nada, além de co-existir com outras estruturas que compõe o chamado “Universo Paralelo”.

Entende-se como “Universo Paralelo” ou “Realidade Alternativa”, a realidade auto contida em separado, coexistindo com a nossa própria. Esta realidade em separado pode variar em tamanho de uma pequena região geográfica até um novo e completo universo, ou vários universos formando um multiversos (conjunto de muitos universos). Embora os termos "Universo Paralelo" e "Realidade Alternativa" sejam geralmente sinônimos e possam ser intercambiáveis na maioria dos casos, há por vezes uma conotação implícita no termo "Realidade Alternativa", quando se discorre sobre a Magia, que implica no conceito de que a realidade é uma variação da nossa própria construção de valores. O termo "Universo Paralelo" é mais genérico, sem quaisquer conotações que impliquem uma relação (ou a falta dela) com o nosso “Universo Físico”, configurado como o pulsar das existências e o pensar científico.

O “Universo Mágico” indica que todas as possibilidades compõem um possível “Tudo” e um possível “Nada”, compostos por experiências que nem sempre correspondem ao êxito desejado, mas que são de extrema importância para o crescimento qualitativo daquilo que se entende como “Treino Mágico” (cada momento é uma possibilidade mágica de propor-se ao aprendizado que sempre desafia os limites). O “Treino Mágico” equivale à análise profunda de sua valoração enquanto indivíduo único, agregado à busca do auto conhecimento e aos conteúdos significativos que venham a corroborar com a história de cada pessoa e o que é parte condizente de sua história.

A relação entre o “Tudo” e o “Nada” abrange significados mais abstratos, ainda que formalmente compreensíveis se ponderados não somente como os conceitos: “cheio de” e “vazio de”. Estar imerso no “Tudo” representa explorar as diversas formas de percepção através das possibilidades, sem o pré-julgamento, como também interagir como os possíveis resultados. O “Nada” corresponde ao movimento inverso, mas não menos importante, onde o desapego e o caos integram no mesmo espaço, ao mesmo tempo.


O “Universo Mágico”, então, é o pulsar constante do “Tudo” e do “Nada”, em valores de expansão e contração, em momentos de total completude e equilíbrio, inércia, desapego e desequilíbrio, enquanto ocorre a moderação entre a razão e emoção e as conseqüências que cada experiência, em sua essência, modifica e transforma no ser.