Jornada Etérica na Magia.


Acessar o sonho como reconexão, ainda que inconscientemente, alerta a expansão sutil dos sentidos, não como sinestesia, mas como entrega do corpo e da alma, que em nada se desvinculam nesse momento, como uma grande onda sonora que "atemporiza" o que o consciente terá de alerta em seu primeiro momento de reencontro.

Não se trata de memória ou de meditação reflexiva, mas de mapeamento do sonho através de suas sensações, ainda que incompletas, enriquecidas pelo não julgamento de sua forma. Neste momento se acessa o campo etérico e a consciência, já una, não distingue o que de fato parece ser realidade, porque tudo, no Todo, é real.

Dessa estrutura provém a Terapia do Onirismo Mágico.