Para o alto e avante.


O infinito etérico não está inalcançável, sequer o é. Revela-se a cada nova proporção dada ao que se expressa quando se sente o que não precisa de explicação. É extrapolar os sentidos não por buscar um outro desconhecido, mas dominar os que já possui e afinar seus sons.