A perfeição é mesmo um delírio mórbido.

E o não prazer um recalque do que é liberto.