Fred.

Nunca gostei de futebol, mas torço pro Vitória. Não tem coisa mais tosca que chamar o Bahia de Baêa e parar de respirar por segundos enquanto no campo de Pituaçu o tal Bahia, que não é Baêa de verdade - tampouco me representa, tenta desamarrar o nó do jegue.

Nunca gostei de futebol, mas torço pro Vitória. Mesmo que perca; porque, em sendo Vitória, neurolinguisticamente já se ganha. Baêa, não. Baêa parece picolé da Capelinha, daqueles falsos, que se vende hoje porque não existe mais o original porque a fábrica fechou. Daqueles 'Capelinha' que o gosto da tapioca parece com farinha de pão e o amendoim é dormido.

Nunca gostei de futebol, mas torço pro Vitória. Não entendo - ou até entendo, mas não aceito - porque os canais fechados têm tanta programação de futebol. Parece que os caras querem ser mais homens ou se acham importantes pelo gol que o cara que ganha uma fortuna, mesmo sem fazer gol, recebe. Eu não recebo fortuna alguma para assisti-los.

Nunca gostei de futebol, mas torço pro Vitória. Não assisto jogo do Brasil, acho as copas uma baboseira e meu espírito de vitória fica mesmo no nome do time que até torço, apesar de não gostar de futebol, e pela invasão de energia que falar a palavra 'vitória' me traz. Me faz ir para frente, ter ambição.

Nunca gostei de futebol, mas torço pro Vitória. Na verdade, pode até nem jogar, porque até dá para folhear alguma revista ou fuçar um site quando Fred joga. Esse sim pode perder, ganhar, receber uma fortuna... Faz até o foco na bola desaparecer do campo e 'frangar', me lembrando porque posso até falar alguma coisa sobre futebol, com ou sem o Vitória.