Tamas.


O elo da inexistência é o vínculo servil com o agora. Um imediatismo abusrdo que mal passatempo bem observa a hora, como quem está diante de dentes armados em sorrisos esquisitos de quem só sabe dar bom dia.